in

Entenda o porquê as critpos estão caindo e saiba como se proteger!

Continua após a publicidade..

O mercado de criptomoedas chama a atenção de diversas pessoas, principalmente por seu histórico de altas valorizações.

Porém, em 2022, muitos investidores e especuladores ficaram preocupados porque as cotações das especulações criptomoedas estão caindo.

Embora esse cenário possa se tornar importante e fazer com que muitos investimentos em moedas digitais, seja importante manter a calma e ter atenção. Afinal, altas e quedas são comuns em ativos dessa natureza.

Por isso, antes de tomar sua decisão sobre as moedas digitais, é preciso entender esse fenômeno.

Por que os criptos estão caindo?

É preciso considerar que os criptoativos são ativos de renda variável e possuem alta volatilidade.

Assim, apesar de o mercado cripto ter tornado mais sólido, é normal que momentos de altas e quedas, inclusive de forma brusca. Essa característica faz parte de sua natureza.

Em 2021, por exemplo, o mercado de criptomoedas alcançou seu valor máximo em novembro, chegando à capitalização de US$ 2,9 trilhões. No entanto, na metade do ano seguinte ele caiu mais de 50%.

Para compreender esse fenômeno, é necessário considerar que o mercado de cripto, sendo descentralizado, possui sua própria mudança.

Entretanto, com a popularização e consolidação gradual das moedas digitais, elas também estão cada vez mais conectados com o mercado global.

Dessa maneira, em meados de 2022, as criptomoedas sentiram o movimento de valorização geral dos ativos de renda variável. Alguns dos fatores que explicam essa movimentação são:

ofertas de oferta e demanda após a pandemia de covid-19;
instabilidade geopolítica devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia.

Além disso, as criptomoedas ainda são alvo de crise de desconfiançapor serem novas e terem sido regulamentadas pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) recentemente.

Como se proteger desse movimento?

Como você viu, o movimento de oscilação no preço das criptomoedas é naturalcertos momentos podem intensificar a embora dinâmicas.

Isso significa que os criptoativos ainda podem ser interessantes para diversos investidores. No entanto, assim como com todo tipo de investimento, ocorre importante saber se proteger de seus riscos.

Assim, caso você já se exponha ou tenha a intenção de incluir criptomoedas em sua estratégia, você deve tomar cuidados como:

diversificar sua carteira: não colocar todo seu capital em apenas um tipo de investimento é fundamental para diluir seus riscos e potencializar suas possibilidades de ganhos;
evite exportar grandes parcelas do capital em criptos: como são ativos de alta volatilidade, pode ser interessante exportar grandes parcelas de seu capital em criptomoedas;
opção por alternativas mais seguras: na hora de investir em criptos, busque maior segurança, considere buscar alternativas regulamentadas, como ETFs e fundos de criptomoedas;
conheça seu perfil e objetivos financeiros: é necessário que antes de investir você considere seu nível de tolerância aos riscos e metas no mercado.

Qual o histórico do mercado de criptomoedas?

Compreender o que é uma criptomoeda e como ela funciona é importante. E para entender o motivo pelo qual elas estão passando pelos movimentos de queda, é necessário conhecer seu histórico.

O recebimento das criptomoedas está relacionado ao pedido de primeiras pessoas ao mundo em um sistema financeiro sem regularização.

Por isso, uma das principais características dos criptoativos é a sua descentralização.

Buscando desenvolver esse sistema, em 2008 foi criada a primeira moeda digital: o bitcoin. A história de fato de seu criador ainda é que sabe carregar quem de fato seu criador.

Entretanto, o modelo fez sucesso apesar das incertezas sobre seu desenvolvedor. A partir de 2013, o bitcoin começou a chamar mais atenção — chegando ao preço de US$ 13.

Já no ano seguinte sua cotação atingiu US$ 7. Essa alta destacou a moeda nos noticiários.

Diante do aumento da procura, ela passou por muitas valorizações, mas também sofreu alterações. Esse movimento fez com que mais projetos de criptoativos surgissem, tendência que ainda permanece vigente.

O que são criptomoedas?

É válido compreender o que é esse ativo e como ele funciona. As moedas digitais são formas de pagamento, da mesma maneira.

Elas não existem fisicamente, apenas virtualmente.

Ainda assim, elas podem ser utilizado para comprar diversos produtos e serviços normalmente. Para tanto, basta que seja determinado que aceita por quem presta o serviço contratado ou vendendo o produto adquirido.

Um ponto que chama bastante atenção é que eles são descentralizados. Isso significa que não existe órgão governamental nem instituição econômica que regula a emissão e circulação das criptomoedas.

Essa característica faz com que o mercado funcione por meio de políticas, por exemplo.

Com relação ao seu funcionamento, como criptomoedas são códigos virtuais de alta complexidade, programados para não serem alterados.

Dessa maneira, cada unidade criada tem como único, e nenhum outro ativo é um código único. Além disso, as transações são feitas online.

A validação e registros das transações de ocorrências, geralmente, por meio de uma tecnologia chamada blockchain. Nela, dados de cada negociação são registrados em blocos que se unem, formando uma cadeia ou corrente.

Uma vez, não é possível alterar nem alterar essas informações, o que garante a segurança da rede. Esse processo é realizado por meio de complexo criado, feito por computadores de alta performance disponibilizados pelos usuários — chamados mineradores.

Agora você sabe que as criptomoedas estão caindo porque elas são voláteis e se movem conforme a lei de oferta e demanda.

Continua após a publicidade..

Mesmo com as cotações desses ativos, o investimento ainda pode ser interessante para muitas pessoas. Mas é necessário considerar suas necessidades e antes de investir.Quer investir em criptomoedas de forma simples e segura?

Então abra sua conta na Genial e invista agora mesmo!

Continua após a publicidade..

4 motivos para investir em renda fixa

Ibovespa subiu nesta quarta-feira após dois dias de queda (4/1)